Ricardo Porto avalia novos projetos de Conciliação e Mediação aprovados pelo CNJ

-

Mais seis projetos foram aprovados e incluídos no Portal de Boas Práticas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), entre estes cinco iniciativas passam a fazer parte do Eixo Conciliação e Mediação e uma foi adicionada ao Eixo Justiça e Cidadania. Diante da nova realidade, o coordenador-geral do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do Tribunal de Justiça da Paraíba (Nupemec), desembargador José Ricardo Porto, destaca que essa visão do CNJ alcança todos os tribunais do País.

O magistrado destaca, também, que todos os projetos precisam seguir critérios como eficiência, qualidade, criatividade, exportabilidade, satisfação pelo usuário dos serviços jurisdicionais, alcance social e desburocratização.

- Continua depois da Publicidade -

“A conciliação e mediação é uma realidade irreversível, por isso que os tribunais têm se dedicado, com muita responsabilidade, a colocar em prática esses projetos. É necessário dizer que a Justiça brasileira tem recebido uma demanda excessiva de processos, daí a grande importância da conciliação e mediação na esfera extrajudicial”, afirmou.

As cinco novas ações aprovadas para o Eixo Conciliação e Mediação são voltadas a solucionar conflitos para além do modelo judicial tradicional. Uma dessas iniciativas, denominada ‘Execução Fiscal’, visa o pagamento de tributos inadimplentes, diminuir o acervo processual da serventia, aumentar a arrecadação e reaver créditos perdidos.

José Ricardo Porto ainda disse que o presidente do TJPB, desembargador João Benedito da Silva, “tem dado todo apoio aos projetos desenvolvidos pelo Nupemec e estamos na vanguarda na expansão e aprimoramento dos Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania, por todo o Estado, sempre com muita dedicação e competência dos juízes e servidores do Judiciário e para este ano, vamos nos dedicar, também, a esses novos projetos aprovados pelo CNJ”, destacou.

Outra prática aprovada recebeu o nome de “Soluções de Conflitos Fundiários Coletivos: processo estruturante e negócio jurídico-processual”, que busca o comprometimento dos envolvidos em uma ação negociada, para que seja garantida, entre outros resultados, a regularização de assentamentos, a titulação de seus ocupantes e o acesso à moradia.

Já o projeto acrescido no Eixo Justiça e Cidadania Plena vai promover o exercício do voto a pessoas idosas, pessoas hospitalizadas ou com mobilidade reduzida, quilombolas e comunidades indígenas, por meio da instalação de locais de votação nessas localidades.

As seis práticas foram anunciadas na 19ª Sessão Ordinária, realizada em 12 de dezembro, última sessão plenária de 2023. Criado pelo CNJ para apoiar o aprimoramento da gestão dos órgãos do Judiciário, o Portal CNJ de Boas Práticas do Poder Judiciário promove e divulga soluções inovadoras de magistrados e servidores para o melhor aproveitamento dos recursos orçamentários disponíveis e maior satisfação por parte dos usuários dos serviços judiciais.

Antes da validação pelos conselheiros do CNJ, as iniciativas passam por processo de admissibilidade e análise técnica da equipe do Departamento de Gestão Estratégica (DGE) do CNJ, que conta com apoio de juízes auxiliares da Presidência e outras unidades técnicas, de acordo com o tema.

Fonte: Gecom-TJPB

Valter Nogueira
Valter Nogueira
Valter Nogueira de Amorim, jornalista profissional, é o editor-chefe do blog. Formado em Comunicação Social pela Universidade Federal da Paraíba (1988). Atuou nos principais jornais impressos do Estado, tais como A União, O Momento, Correio da Paraíba e O Norte. No campo administrativo, foi secretário de Comunicação da Prefeitura Municipal de Santa Rita (1997-2005), assessor de Imprensa da Prefeitura de Pedras de Fogo (2008). Exerceu, também, o cargo de gerente de Comunicação do Tribunal de Justiça da Paraíba, no período de fevereiro de 2015 a janeiro de 2019.

Compartilhe

Mais Lidas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui